Home / Artigos / Período seco! A chuva acabou, o clima esfriou e o capim secou! O que fazer?

Período seco! A chuva acabou, o clima esfriou e o capim secou! O que fazer?

- As estratégias para enfrentar o período seco se iniciam ainda no período das águas.

Nosso nutricionista da área de Ruminantes, Emanuel Oliveira, reforça pontos importantes para evitar surpresas desagradáveis neste período.

Planejamento é tudo! O sucesso de qualquer programa de suplementação no período seco está ligado a um bom manejo das pastagens no período das águas. O diferimento dos pastos é a principal ferramenta para disponibilizar massa de forragem durante a seca. Antecipar o diferimento dos pastos, durante o período chuvoso permite um grande acúmulo de forragem e por consequência menor qualidade. Já a vedação em período próximo ao início da seca auxilia na melhoria da qualidade do pasto vedado, porém, reduz o acúmulo de forragem. Independentemente de quando ocorrer o diferimento/vedação do pasto, esta ação será essencial para complementar as estratégias de suplementação.

Os programas de suplementação são aliados do produtor para uma pecuária mais lucrativa! O plano nutricional é muito particular e depende da capacidade da propriedade em absorver as tecnologias propostas ou da possibilidade do pecuarista em investir em suplementos. Um ponto é comum, seja na cria, na recria ou na engorda: devemos EVITAR a perda de peso dos animais!

Os planos alimentares para manutenção do peso dos animais levam em consideração o uso de alimentos que possam aumentar o consumo de pasto. O uso de suplementos ureados ou proteicos de baixo consumo podem ser estratégias interessantes. A inclusão da ureia e alguma outra fonte de proteína na alimentação dos bovinos, no período seco, auxilia na digestão da fibra de baixa qualidade e consequentemente aumenta a ingestão de energia pelo animal.

Agora, se o objetivo for o aumento nas taxas de ganho de peso, o produtor deverá fornecer misturas que possuam em sua composição proteína de origem vegetal, energia e aditivos, aliado a ingestões diárias mais altas destes suplementos. Para isto temos os Proteicos e os Proteico-energéticos. Estas duas classes de produtos oferecerão elementos suplementares à dieta baseada no pasto seco e proporcionarão diferentes taxas de ganho de peso, dependendo da ingestão diária oferecida aos animais.

Já a engorda/terminação de bovinos em pasto no período seco também é possível. O uso do semi-confinamento ou TIP (terminação intensiva em pasto) é o método perfeito para esta demanda. Neste caso, é oferecido grande quantidade de ração aos animais (1 a 2% do peso corporal) e a fonte de volumoso continua sendo o pasto. Este método é simples e traz bons resultados.

Para finalizar, lembre-se: planeje e antecipe ações em períodos anteriores, isto permitirá evitar surpresas desagradáveis, como a falta de pasto. A forragem, mesmo que de baixa qualidade, faz uma enorme diferença em sistemas de suplementação.

De maneira descomplicada, se a meta é a manutenção de peso do animal, o volume de suplemento oferecido será baixo e objetiva suprir as necessidades do funcionamento ruminal. Porém, se o objetivo é que os animais obtenham ganhos de peso mais elevados, a quantidade de suplemento deve ser mais alta e o plano nutricional deve ser crescente, respeitando a exigência nutricional e o ganho de peso do animal.

RECEBA UMA RECOMENDAÇÃO PERSONALIZADA DE NOSSOS PROFISSIONAIS OU AGENDE UMA VISITA.