Prevenindo cetose: por que é tão relacionado com o período seco?

26 janeiro 2022

A cetose é uma complicação de saúde comum, porém grave, em vacas leiteiras, ligada ao período de transição entre as lactações. Ao enfrentar o problema de frente durante o período seco, os produtores de leite podem tomar medidas para prevenir a doença, resultando em um rebanho mais saudável e produtivo.

A cetose ocorre em vacas leiteiras paridas que têm concentrações aumentadas de ácido beta-hidroxibutirato no sangue (BHBA) e ácidos graxos não esterificados (NEFA) devido a níveis excessivos de mobilização de gordura corporal e função hepática prejudicada. E afeta inúmeras fazendas leiteiras em todo o mundo. De fato, um estudo espanhol recente encontrou evidências da condição em 28% das fazendas do país .

Embora a cetose seja uma condição bastante comum, é importante não subestimar o impacto econômico. As vacas afetadas provavelmente sofrerão redução na produção de leite e terão pior desempenho reprodutivo, resultando em maiores taxas de descarte. As vacas também correm maior risco de doenças como mastite, que pode afetar a produção de leite e, por consequência, o desempenho financeiro de sua fazenda.


Enfrentando a raíz do problema: uma abordagem em três etapas

Proteger a saúde, a produtividade e a fertilidade de suas vacas significa voltar à origem do problema: o período seco. Conforme mostrado por estudos de campo conduzidos pela De Heus, a cetose normalmente resulta de um balanço energético negativo grave (NEB) devido à ingestão de matéria seca abaixo do ideal ao redor do parto. Sabemos que vacas com excessivo escore de condição corporal têm menor ingestão durante o período seco, perdem mais peso no início da lactação e têm maior risco de desenvolver cetose. Em outras palavras, a ingestão de matéria seca no início da lactação simplesmente não é suficiente para atender às necessidades de vacas de alta produção – e isso leva a um balanço energético negativo.

Para resolver esse problema, recomendamos uma abordagem em três etapas. A primeira é aumentar a ingestão de matéria seca de suas vacas durante o período seco, o que estudos mostraram que pode ter um impacto positivo na produção de leite durante a lactação. Em segundo lugar, certifique-se de que suas vacas mantenham uma condição corporal ideal (não superior a 3,5) antes de secar. Nossa recomendação final é encurtar o período seco: Uma pesquisa recente realizada pela De Heus envolvendo 37 fazendas holandesas encontrou concentrações significativamente mais baixas de BHBA e NEFA em vacas com um período seco mais curto.

Na De Heus, desenvolvemos o Plano PreLacto para o Período Seco para ajudá-lo a enfrentar cada uma dessas três etapas de frente.
Saiba mais sobre o PreLacto ou entre em contato com um membro da equipe De Heus para mais informações.

[1] Duffield TF, Lissemore KD, McBride BW, Leslie KE. Impact of hyperketonemia in early lactation dairy cows on health and
production. J. Dairy Sci. 2009; 92: 571–80. pmid:19164667

Get in touch with our specialist