Home / Artigos / A importância da qualidade dos ingredientes

A importância da qualidade dos ingredientes

- Para a produção do alimento seguro, diversos controles devem ser feitos com a finalidade de erradicar ou diminuir qualquer risco de contaminação

A oferta de ingredientes para nutrição animal tem sofrido oscilações que podem interferir diretamente na qualidade dos mesmos, por isso, os produtores avícolas precisam buscar ferramentas estratégicas para garantir sua permanência e seu desenvolvimento dentro de um mercado extremamente competitivo. Na avicultura, a ração representa cerca de 70% dos custos de produção de proteína animal, dessa forma, é preciso garantir que as aves tenham acesso a dietas com nutrientes necessários e adequados garantindo alta produtividade, menores custos de produção e maiores retornos financeiros.
Os principais ingredientes usados nas dietas das aves, como milho, derivados de soja, óleos e farinhas de origem animal, devem ser cuidados de maneira especial por se tratar de produtos altamente susceptíveis a diversos tipos de contaminações.
Fatores indesejáveis como as micotoxinas em grãos, oxidação das gorduras, fatores antrinutricionais em fontes de proteínas de origem vegetal e bacterioses em farinhas de origem animal podem provocar diversos danos à saúde animal, resultando em perda de desempenho, aumento da conversão alimentar e elevados custos de produção.

Grãos

Produzidas por diferentes cepas de fungos, as micotoxinas são metabólitos que trazem grandes perdas para a produção comprometendo diretamente a qualidade dos ingredientes contaminados como os derivados do milho, trigo, sorgo, cevada e arroz. Para os animais as diversas toxinas encontradas podem provocar efeitos nocivos à saúde, apresentando diferentes sinais clínicos, como queda de desempenho, aves com canelas e cristas esbranquiçadas, diferentes graus de diarreias, lotes desuniformes, podendo chegar a apresentar graves lesões no trato gastrintestinal, o que prejudica a digestão dos alimentos resultando em piora da conversão alimentar e elevação do custo de produção. As principais micotoxinas que contaminam os grãos de milho são a aflatoxina, a zearalenona (F-2), a ocratoxina e dois tricotecenos: a toxina T-2 e o deoxinivalenol, sendo as três primeiras mais frequentemente encontradas.

Óleos e gorduras

Óleos e gorduras podem ser afetados pelos processos de rancidez oxidativa ou peroxidação lipídica que são as principais causas da perda de qualidade do alimento. A ingestão do alimento oxidado causa risco para saúde do animal pois prejudica seu desempenho, compromete também a absorção de nutrientes provocando a síndrome da má absorção além de outras deficiências nutricionais secundárias. O uso de gorduras com valores de peróxidos superiores a 5 mEq/Kg para a nutrição de aves demonstrou efeito negativo no ganho de peso, consumo de ração, conversão alimentar e mortalidade. Valem lembrar que o uso de antioxidante pode atenuar o início desse processo oxidativo.

Fatores antinutricionais

Fatores antinutricionais interferem negativamente na absorção de nutrientes e reduzem seu valor nutricional, é o que ocorre por exemplo na soja, principal fonte de proteína utilizada na nutrição de aves, seus diversos fatores antinutritivos reduzem a absorção dos nutrientes, causando lesões nas microvilosidades intestinais. Dessa forma, torna-se indispensável seu processamento com alta temperatura antes de ser utilizada visando destruir os fatores antinutricionais como por exemplo, o inibidor de tripsina e quimiotripsina.
Durante seu processamento, o superaquecimento pode causar danos pelo excesso de calor, ocasionando a reação de “Maillard” onde há complexação do açúcar com aminoácido, reduzindo sua disponibilidade, ou seja, reduzindo o valor nutritivo da soja. Os métodos mais utilizados para medir a inativação dos fatores antinutricionais da soja é a determinação da urease através da variação de pH e a solubilidade proteica em KOH a 0,2%. A recomendação para urease é de no máximo 0,20 e quanto menor, melhor, já para proteína solúvel ideal de 80 a 85%, sendo que, valores acima desse intervalo pode indicar superaquecimento no seu processamento.

Subprodutos de origem animal

Já os subprodutos de origem animal são sujeitos a contaminações bacterianas por microrganismos dos gêneros Salmonella e Clostridium.
O gênero Clostridium pode se apresentar em mais de 100 espécies, dentre eles destaca-se o Clostridium perfrigens.  Os sintomas da contaminação por Clostridium ssp nas aves são: severa apatia, diminuição de apetite, penas arrepiadas, fezes escuras, com ou sem manchas de sangue e diarreias, provocando queda no desempenho. Sorotipos causadores da Salmonella, promovem, com frequência, enterite nas aves e queda de produção além de problemas considerados de saúde pública. A presença de contaminação por salmonelas, no entanto, deve levar a condenação total do ingrediente.

Para concluir, as rações produzidas e fornecidas às aves de produção, podem ser veículos para diversos tipos de contaminações. Para a produção do alimento seguro, diversos controles devem ser feitos com a finalidade de erradicar ou diminuir qualquer risco de contaminação. O controle de matérias-primas é fundamental uma vez que, dentro do processo de produção de rações, os ingredientes já não podem mais passar por transformações que recuperem sua integridade nutricional e sanitária.

 

 

Artigos relacionados